Asseio Rentokil - Controle de Pragas para Residencias

Cupim de Madeira Seca

ORDEM:Isoptera
FAMÍLIA:Kalotermitidae
GÉNERO:Cryptotermes
ESPÉCIE: Cryptotermes brevis (Walker, 1853)

Cupim de Madeira Seca (Cryptotermes brevis)

Existem 8 espécies do gênero Cryptotermes no continente americano. 

O Cryptotermes brevis, chamado popularmente de cupim de madeira seca, é um cupim que encontra-se normalmente restrito à peça atacada, não tendo capacidade de passar de uma madeira infestada para outra a não ser que efetivamente exista um ponto de contato entre ambas as madeiras. 

Neste caso, a colônia pode se estender e infestar todo o madeiramento em contato.

Problemas com Cupins de Madeira Seca?

Se encontrar alguma das situações abaixo, não perca mais tempo, solicite uma inspeção técnica o quanto antes pelo telefone número 0800 77 27 777 ou solicite um orçamento através do site, um especialista no assunto será direcionado a sua residência para avaliar as condições e apresentar a melhor opção para resolver seu problema com cupins de madeira seca.

Mais informação sobre os Cupins de Madeira Seca

  • Característica: não constrói ninhos, colônias pequenas, só ocorre na madeira, retira as fezes da colônia muito parecidas com granúlos;
  • Reconhecimento do ataque: raros sinais externos na peça infestada, o ataque só é reconhecido tardiamente, fragilidade das peças, presença de cupins vivos e mortos, presença de asas, fezes (granulo de madeira), galerias, som da madeira que parece estar oca.
  • Como identificar o ataque: portas e móveis com pequenos orifícios ou com presença de resíduos e/ou grânulos semelhantes a pó nas proximidades, são indicativos de ataque de cupim de madeira seca ou brocas.

O tamanho da colônia é proporcional ao tamanho da peça atacada, uma vez que encontra-se restrito a ela. Por este motivo, os cupins de madeira seca normalmente apresentam colônias pequenas, com cerca de 300 indivíduos a alguns milhares. 

Uma colônia de cupim de madeira seca pode chegar a ter 3000 indivíduos após 15 anos.

O pequeno tamanho da colônia é, entretanto, compensado pelo grande número de colônias que podem ser encontradas em uma determinada estrutura, podendo haver centenas de colônias convivendo no mesmo ambiente. 

Por estarem protegidos de predadores durante a revoada (que podem ocorrer dentro da própria estrutura), não dependerem de contato com o solo e sobreviverem em madeiras com pouca humidade, muitos alados podem sobreviver por ocasião da revoada e formar novas colônias.